Marcio Pauliki - Compromisso com você
Facebook Twitter Instagram

Regulamentação da equoterapia é aprovada na Alep

Compartilhe nas redes sociais:

14/04/2021

Na última terça-feira (04), o projeto de lei do deputado estadual Marcio Pauliki que regulamenta a equoterapia foi aprovado na Assembleia Legislativa do Paraná (Alep). Embora concordando com a iniciativa, o Governo do Estado havia vetado e se comprometido a regulamentar a equoterapia através de decreto. Entretanto, o veto foi derrubado por 32 votos a 9 e o projeto de Pauliki aguarda a sanção do Governo do Estado para se tornar lei. A atividade é oferecida pelo 1° Comando Regional da Polícia Montada e busca o desenvolvimento de pessoas com deficiências e/ou necessidades especiais e melhorias na coordenação motora através de uma abordagem multidisciplinar com o cavalo. O deputado estadual Marcio Pauliki explica que, embora o tratamento já seja oferecido pela PM, beneficiando muitas crianças, a atividade ainda não é regulamentada. “Esse projeto de lei vai possibilitar a ampliação do atendimento e que mais crianças tenham melhorias na coordenação motora, aumento da autoestima e mais independência. Na prática, a Polícia Militar vai conseguir viabilizar mais recursos para a equoterapia”, enfatiza. De acordo com o Tentente-Coronel Wilson Odirley Valla, a regularização da equoterapia é necessária para fazer convênios para receber recursos financeiros, mais segurança em relação a possíveis acidentes e formar parceria com cursos de fisioterapia para ter mais professores. “A ideia para frente é ter um centro de tratamento com equoterapia, psicopedagogia e psicologia e oferecer um atendimento integral às crianças”, frisa. A Polícia Militar iniciou o serviço em 1992 com um projeto piloto atendendo apenas uma criança. As atividades foram interrompidas por um tempo e retornaram em 2004. Atualmente, a equoterapia realiza 110 atendimentos e possui 326 crianças na fila de espera, as quais são priorizadas pela renda. O serviço é prestado por três fisioterapeutas e dura dois anos em média. Leia mais: http://www.plantaodacidade.com.br/novo/noticia/14697

Leis criadas e aprovadas