Marcio Pauliki - Compromisso com você
Facebook Twitter Instagram

Pauliki solicita apoio do estado para recuperação do Tibagi

Compartilhe nas redes sociais:

12/04/2021

O deputado estadual Marcio Pauliki esteve na Secretaria Estadual do Meio Ambiente e Recursos Hídricos para solicitar apoio do governo na recuperação do Rio Tibagi. Ele foi recebido pelo secretário Ricardo José Soavinski na manhã desta quarta-feira (02) e conversaram sobre a reclassificação da bacia hidrográfica. Uma proposta polêmica estuda a possibilidade de rebaixar as águas – atualmente classificadas nas categorias 2 e 3 – para classe 4, o que poderia permitir que o Rio Tibagi recebe ainda mais poluentes. De acordo com Soavinski, a administração pública não cederá às pressões. “O estado é a favor da recuperação da Bacia do Tibagi e contra a reclassificação para baixo. O nosso objetivo é em 10 ou 15 anos elevar a categoria de todas as bacias dentro da realidade de cada uma”, afirma. Para Pauliki, o assunto é uma questão de saúde pública. “Essas águas irão abastecer o complexo de lagos de Olarias e acabarão chegando perto da casa das pessoas trazendo poluição e doenças. Muitas vezes nós pensamos que as discussões a respeito do meio ambiente estão acontecendo longe da gente, mas são questões que afetam o nosso dia a dia de forma direta”, afirma. A classificação é realizada pelo Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama). Ela determina a atividade e potencial dos rios e córregos. Dentro desse sistema, apenas o nível 4 é considerado impróprio para consumo humano. “O perigo desse rebaixamento é permitir que empresas joguem ainda mais dejetos no rio e desobrigar que aqueles poluem de investir na recuperação do Tibagi”, avalia Pauliki. 12-02 Pauliki solicita apoio do estado para recuperação do Tibagi (3) Instituto Klimionte Ambiental Pauliki também levou representantes do Instituto Klimionte Ambiental até a Secretaria Estadual do Meio Ambiente. Eles apresentaram um projeto de recuperação da mata nativa do Distrito Industrial de Ponta Grossa. O objetivo é plantar 50% de espécies pioneiras, 40% de espécies secundárias e 10% de espécie climax. O projeto para preparo da área, adubação, plantio, coroamento, controle de formigas, plantas daminhas e replantio. A área é de aproximadamente 19 mil m² e custará em torno de R$ 130 mil. O Instituto Klimionte está buscando recursos para o projeto através do Fundo Estadual de Meio Ambiente. “É um momento oportuno, pois estamos recebendo os projetos para 2016 que serão analisados pela Secretaria”, comenta Soavinski. Ele também disponibilizou mudas através do viveiro para o replantio. “Vivemos um momento difícil. A deterioração extrema dos recursos naturais em decorrência das ações e das posturas inadequadas dos seres humanos afeta também a economia e a qualidade de vida da população”, explica Roberto Artoni, pesquisador voluntário do Instituto Klimionte. É justamente o impacto econômico que preocupa Pauliki. “O meu compromisso é com a defesa do trabalhador. A degradação do meio ambiente e dos recursos naturais tem um impacto profundo nos empreendimentos e na sobrevivência dos negócios”, enfatiza. Leia mais: http://www.blogdodoc.com/pauliki-solicita-apoio-do-estado-para-a-recuperacao-do-rio-tibagi/

Leis criadas e aprovadas